Seguidores

quarta-feira, 4 de maio de 2016

BICO DE LACRE - O passarinho nosso

Este registro aconteceu no quintal de minha residência.

Bicos de Lacre


Habitat:
Os bicos de lacre são passeriformes originários de África. Estas aves adaptam-se muito facilmente, na natureza podem ser encontradas em lugares com existência de cursos fluviais, rios e ribeiros, também podem ser encontrados em pastagens com arbustos e silvados.
Temperamento:
Esta ave é muito dócil e não entra em brigas com outras aves desde que sejam semelhantes em termos de porte. Estas aves por vezes são territoriais, chegando os machos na época de reprodução a perseguir outros machos.
Alimentação:
Os bicos de lacre alimentam-se de sementes de ervas rasteiras e campestres, no entanto quando chega época de reprodução necessitam de alimento vivo como por exemplo tenébrio pois é uma grande fonte de proteínas para o desenvolvimento das crias. Em cativeiro costuma-se dar pápa amarela (ovo, mel e aromas de frutas) no meu caso eles chamam-lhe uma delícia, e grite ou areia, o que não pode faltar ao bico de lacre é de manhã uma banheira com água fresca para que ele se possa lavar.
Reprodução:
Em termos de reprodução, a época de reprodução em cativeiro pode ser todo ano desde que tenhamos boas condições mas no entanto a maior parte dos criadores param nos meses de frio e começam como se fosse a época de reprodução em liberdade ou seja de Março a Agosto. A criação desta ave pode demorar, mas para que seja mais rápido o criador "deve" colocar arbustos para que torne o viveiro o mais natural possível. O ninho é o macho que constrói usando fibras de coco, ervas secas, ervas campestres como por exemplo capim e milha, o ninho tem a forma mais ou menos esférica e tem duas entradas, uma onde a fêmea choca os 3 a 5 ovos, e outra onde dorme o macho dorme para proteção.
As crias nascem passado 17 dias  e podem ser separadas a partir dos 45 dias.
  Distinção dos sexos:
O macho, a fêmea e os jovem destingem-se do seguinte modo:
No macho:
as penas caudais junto à cloaca são escuras ou pretas;
no peito apresenta um vermelho vivo e abundante;
o bico é mais vermelho;
apresenta uma lista maior e mais viva junto ao olho;
os machos cantam sendo esta a mais fiel característica para destingir;

Na fêmea:
as penas caudais junto à cloaca são mais claras ou castanhas;
no peito não apresenta tanto vermelho e pouco abundante vermelho;
o bico é mais claro;
apresenta uma lista mais curta que o do macho e não possui tanto vermelho na lista;
as fêmeas não cantam;

Juvenis:
têm uma uma cor neutra sendo castanho escuro e claro;
o bico é escuro;
a lista junto ao olho é vermelho escuro;

Fonte:http://passarosdotelmo.blogspot.com.br/p/bicos-de-lacre.html

segunda-feira, 14 de março de 2016

Gabriele..... É DO BRASIL!!!!!

 A quadra junina amapaense foi presenteada com muita beleza quando surgi para brilhar nos terreirões Tucuju, Gabriele Monique Brasil do Amaral ou simplesmente Gabriele Brasil, miss caipira renomada na quadra junina, detentora do título de Garota Junina e ostenta este ano a faixa de Garota Fefap.

Com 25 anos de idade, mãe dedicada e filha do casal Vera Brasil do Amaral e Vivaldo Ferreira do Amaral Filho, Gaby é formada em licenciatura plena em Educação e exerce a profissão de Professora de Ballet.

Nosso blog bateu um papo descontraído com Gabriele Brasil e ouvimos sua opinião a respeito do segmento junino no Amapá.

Acompanhem!

Blog – GABY, COMO VOCÊ ENTROU NA QUADRA JUNINA?

GB - Entrei na quadra junina por ironia do destino, apos um convite em um ensaio de comissão de frente de carnaval, mais no momento eu não aceitei, apos o carnaval recebi a ligação do Anderval, e resolvi aceitar esse desafio, e até hoje estou nesse meio cultural que hoje faz parte da minha vida, que já não me imagino estar longe.

Blog – QUAIS SÃO SUAS ATIVIDADES CULTURAIS?

GB - Carnaval, no quesito comissão de frente; Quadra Junina como Miss Caipira; Toada como Sinhazinha da Fazenda, e na Graham Cia de Dança como Bailarina.

Blog - QUANTOS TÍTULOS COMO MISS CAIPIRA?

GB - Em 2011 obtive nota máxima no concurso Garota Junina, mais perdi no sorteio, em 2012 conquistei o Título de Garota junina. Em 5 de junho de 2015, conquistei o concurso GAROTA FEFAP.

Blog - O QUE VOCÊ ACHA DA QUADRA JUNINA AMAPAENSE?

GB - A Quadra Junina representa fortemente nossa Cultura Brasileira, com toque dos Amapaenses, nos permitindo a criação e expressão da dança em grandes espetáculos construídos pelos nossos grupos juninos, e principalmente brincar de São João com familiares, e amigos que pra mim, é o principal objetivo. Vejo a Grande Evolução da quadra junina nos últimos anos, porém ainda falta melhorar muito, não adianta investimento se muitas pessoas ainda pensam em prejudicar grupo A ou B, e não pensam na cultura de modo geral. Tem espaço para todos aparecerem, e mostrar seu espetáculo.


Blog -  O QUE FAZER PRA MELHORAR A QUADRA JUNINA AMAPAENSE?

GB - O primeiro importante passo é políticas públicas para este segmento, nos permitindo ampla discussão de melhorias para a quadra junina, mobilizar e trazer todos que a compõem, desde presidente, a todos os brincantes, todos aqueles que fazem parte do espetáculo. Ter um local próprio para os quadrilheiros o ano todo, com cursos, debates, e espaço para se dançar São João o ano todo.


Blog - QUAIS OS PONTOS NEGATIVOS DA QUADRA JUNINA?

GB - Corrupção que ainda existe, as pessoas que não respeitam o trabalho alheio, e os que não sabem separar amizade e Quadra Junina.

Blog - SUA OPINIÃO SOBRE  A PROFISSIONALIZAÇÃO DA QUADRA JUNINA? CONTRATAÇÃO DE MISS, MARCADOR ETC.

GB - Quando comecei eu não recebia absolutamente nada, mais aprendi tudo com muito amor, e mergulhei de cabeça nos problemas da minha antiga quadrilha, Cruzeiro do Sul, quadrilha que acendeu em mim todo esse amor, por ver tanta união, tantas dificuldades, tudo por amor ao São João. Porém, acho muito importante essa remuneração, é nosso trabalho sendo valorizado, só não acho certo algumas quadrilhas que prometem, e não cumprem, pois acho que cada qual tem que saber a realidade de sua quadrilha, se planejar, mesmo por que quando recebemos acabamos devolvendo ao nosso grupo junino, comprando uma coisinha aqui, e ali. O importante é dançar com amor, e representar bem o grupo.

Blog - QUAL O  SUCESSO PARA SER UMA GRANDE MISS?

GB - São vários os segredos, pra mim é ter talento, dançar com alma, e o coração, ter humildade, ser disciplinada, saber ouvir conselhos, e críticas, e estar sempre disposta a melhorar, e aprender.







Para 2016, Gabriele Brasil resolveu não estará na quadra junina, por uma boa e ótima causa. Gaby irá se dedicar aos tratamentos de seu filho, Heitor, mas estará participando das atividades juninas do Estado como Garota Fefap e também prestando orientações técnicas para algumas quadrilhas.
Recentemente Gaby foi convidada a coreografar o grupo onde foi revelada na quadra junina, a Cruzeiro do Sul. Ela nos disse que irá com certeza “dar uma força” para o grupo.


Sucesso Gabriele Brasil nesta nova jornada que inicia-se agora, a quadra junina agradece.

sexta-feira, 4 de março de 2016

QUADRA JUNINA 2016 - PALESTRA EM PORTO GRANDE

Fui convidado nesta última quarta-feira, dia 2 de março, para ministrar uma palestra na câmara de vereadores do Município de Porto Grande. O Evento contou com a participação dos brincantes, diretores e apoiadores da Quadrilha Junina, Explosão Junina, daquele município.

A palestra teve a temática "quadra junina, motivações e realidades", onde mostramos os avanços dentro do movimento e como os brincantes de grupo precisam fazer para alcançarem sucesso na quadra junina.
Obrigado ao presidente do grupo Washington, a Edna, Marcadora do grupo e a tod@s @s brincantes do grupo e sua diretoria pela receptividade.
Desde já, sucesso ao grupo, que além de quadrilha junina, a entidade desempenha um lindo trabalho social com a juventude de Porto Grande.
Sucesso.



quarta-feira, 9 de setembro de 2015

UM SETEMBRO, UMA HISTÓRIA! - Por Cláudio Rogério



Dos setembros mais quentes banhados por este rio que corta o meio do mundo, o mais encantador foi aquele de um ano atrás que feito um equinócio, despontou você em minha frente fazendo daquele pôr-do-sol o mais belo que já vi.

Os meus setembros sempre foram cobertos de primaveras sem flores e de um equinócio simples como qualquer um, até você despontar com um sorriso belo e encantador, um jeito diferente de olhar o mundo.
Foi você exatamente raiar em meu caminho que tudo de bom que havia se perdido no mundo, principalmente para mim, voltou. Até aquelas coisas bobas que não escrevia mais, voltei a fazer, contar histórias e estórias que nem sempre eram para mim, mas tinha um direcionamento certo, você.

Esse resgate de valor e de poder mexer na alta estima despertou não somente as cores lilás de Djavan mas outras canções que pareciam serem feitas pra você, “te adoro em tudo”, lembras?

Eu vivi uma história de amor jamais vivida em minha vida! Decepção? Claro que não! A certeza é que não escapamos dessas flechadas que nos pegam de surpresas, ninguém, absolutamente ninguém escapa.


Outra certeza, é que desde quando apareceste em meu caminho, levo comigo em cada setembro que Deus me oferece, mais flores, vejo os equinócios mais maravilhosos e principalmente levo você para sempre, dentro do meu coração.

terça-feira, 8 de setembro de 2015

Artigo: Memórias do Cumaú - Por Cleber Silva

Maquete do Forte Cumaú, produzida sob coordenação de Manuel Calado. Parte da Exposição “Cumaú: a Fortaleza do Igarapé”, no espaço Casa de Vidro do Museu Sacaca. (SALDANHA et al, 2013, P. 172)




O Cumaú foi um Forte construído pelos ingleses no século XVII, situado a margem direita da foz do igarapé da fortaleza em frente à Ilha de Santana, no município de Santana, com objetivo de construção de uma feitoria permanente.  O projeto foi abortado pela política de proteção de territórios ultramarinos português, com a tomada do Cumaú por estes foi construída outra Fortificação batizada de Forte Santo Antonio de Macapá, nome pouco conhecido e que não afetou as memórias do Cumaú

Como considera Bosi (1996), a memória possui a função social de se reproduzir para gerar outras experiênciais e vivências, ou seja, a história deve reproduzir-se de geração em geração, gerar muitas outras, cujos os fios se cruzem, prolongando o original, puxados por outros dedos. É neste sentindo que as memórias sobre o Forte Cumaú são geradas a partir da formação daquele povoado as margens do igarapé da Fortaleza.

De acordo com os moradores mais antigos daquela comunidade, o processo de expansão começa em torno da Serraria do Sr. Celestino Pinheiro, “o Pinheirinho”. Assim os moradores começaram a construir suas moradias em torno da serraria, e com o término da exportação de madeira, seu Pinheirinho vendeu a serraria, loteou seus terrenos, vendendo e doando os lotes, muitos para seus funcionários, e estes por sua vez deram aos seus filhos e netos.

Joaquim Coutinho um dos primeiros moradores do bairro detalha assim esse processo: “isso aqui não existia estrada, depois que fizeram uma estrada pra ir pra serraria do lado de lá, que passava bem na ilharga do Cumaú”. Com o processo de expansão da comunidade muitos moradores passam a conviver com as belezas do Forte Cumaú, um lugar de livre acesso em épocas passadas, que hoje vive cercado pelos muros da propriedade privada. Como nos relata Raimundo Alves, morador antigo do bairro Igarapé da Fortaleza, “o Forte Cumaú era uma fortaleza completa, perfeitinha, igual aquela de Macapá, só tinha que ela era pequena, era menor, mas com todos aqueles requisitos e aparatos”.

Seu José Lobato, um dos grandes responsáveis pelo processo de valorização do Forte Cumaú como patrimônio histórico e cultural nos revela com detalhes as paisagens que tornavam aquele lugar encantador que posteriormente foi sendo depredado, “Eles tomavam banho ali, era um balneário, eles usavam aquilo como lazer, mas não tinham assim na mente um valor histórico que tinha aquilo, (...) então é assim, quando eu chequei aqui ainda dava pra ver que era realmente uma fortificação, mas foi quebrada, essa historia toda foi quebrada”.

O Forte Cumaú desperta na comunidade um lugar de memórias para o lazer de seus moradores, um local em que famílias destinavam-se aos finais de semana para tomar banho em meio as belezas do rio Amazonas e aos vestígios arqueológicos, sendo que não faziam idéia da imensa riqueza histórica e cultural que aquele local possuía.

Atualmente apesar de os sítios arqueológicos estarem protegidos pela lei proteção de sítios arqueológicos (Lei n° 3924/1961), a área que se encontram os vestígios do Forte Cumaú estão sob domínio de uma propriedade privada, um dilema que atinge a todos que estão interessados naquele processo de valorização do lugar. Conforme Le Goff (1990) é fundamental entender os problemas da história e do tempo, ele nos diz que a memória ora está em retraimento, ora em transbordamento.

O exemplo do Forte Cumaú aproximasse do pensamento de Le Goff, o retraimento das memórias do Cumaú, acontecem no momento em que há um fechamento da área do Forte, o transbordamento acontece quando aqueles que vivenciaram, expõem suas experiências de convivência com o Forte, com relatos de que como viram essas transformações da área.

Recontar as histórias dos lugares através de um novo olhar é uma tarefa infinitamente complexa, cada um tem do mesmo fato, uma memória diferente, um olhar novo, pois todas as coisas possuem múltiplas representações. A história do Forte Cumaú passa pelas inúmeras representações que as pessoas construíram acerca daquele local, uma área de lazer e entretenimento para os antigos, uma parte da história do Amapá para os jovens estudantes, um local de pesquisas para os arqueólogos e historiadores; enfim o Cumaú para os que os tratam de forma carinhosa, como um local de memórias e singularidades nas terras de Sant’Ana.


Artigo extraído da Tese de Conclusão de Curso em História na Universidade Federal do Amapá- UNIFAP, “Forte Cumaú: memórias, dilemas e narrativas para o processo de valorização na comunidade do Igarapé da Fortaleza”, pelos acadêmicos Cleber Silva e Maria Rita Monte.
Cleber Silva é Bacharel em História pela Universidade Federal do Amapá-UNIFAP, Conselheiro de Cultura Popular e Afrodescendente no Município de Santana



quinta-feira, 20 de agosto de 2015

No prato do dia, MÚSICA!!!


É bem engraçado mesmo. O sujeito ouvir mais de 20, 30, 60, 100 vezes a mesma música. Sou assim, exatamente assim, e tenho a música como refúgio do meu sucesso, de minhas decepções, de minhas mágoas, enfim, tenho a música como companhia em tudo onde eu possa me encontrar.

É o encaixe perfeito quando se compreende bem as coisas e como elas exatamente precisam ser. Através da música podemos tocar os corações mais fechados do mundo, através dela, quebramos muralhas indestrutíveis, ou não, mas o foda de tudo isso, é quando essa música marca. "Vixe"!!!

É aquele enredo dos meus sonhos que não passou na avenida de minha realidade e se acabou tudo numa quarta-feira de cinzas daquele triste sábado chuvoso.

Ouvir "o último romance" dos Los Hermanos tem sido exatamente esse doce refúgio, onde eu possa de repente olhar pro nada e enxergar tantos clichês de minha vida, e observar por dentro desse universo redundante, a possibilidade de acreditar que sempre haverá em meu mundo, um sossego que possa fazer bem pra todos nós.

"E se o tempo for te levar
Eu sigo essa hora e pego carona
Pra te acompanhar"

quarta-feira, 5 de agosto de 2015

O último capítulo?


É da natureza humana viver em uma constante despedida, seja ela de qualquer forma, passando por um até mais, e terminando em um adeus, sempre iremos viver com essas despedidas. O amor está justamente inserido neste contexto, e a partir dele vivemos em um ciclo vicioso que nos preenche de esperança, expectativas e de poder realizar com a pessoa amada, os sonhos mais lindos de uma história de amor, vislumbrar as belezas do mundo e poder sempre, arrancar um sorriso seu!  É possível? É sim, mas com um detalhe, quando há reciprocidade, quando a compreensão está acima da razão e do egoísmo que nos cerca.

Hoje não posso mais olhar as flores do meus campos, nem as pétalas desabrochando em meus jardins que as fiz exclusivamente à você, pois elas embernaram em meu coração em minh'alma. 

Não raia mais em meu caminho o brilho do sol que tu fizeste eu enxergar, pois as nuvens de nosso egoísmo, as cobriram e derramaram sobre nós tempestades de saudades misturados com tudo o que não existia entre nós.

Todos os cantos dessa cidade, bares, igrejas, mercados,
Toda nossa cultura, carnaval, quadra junina, marabaixo,
Todas as frases, tu és demais, adoro você e boa noite,
Todas comidas, do churrasquinho de gato ao temaki 
E todos os amores desta vida, me lembrarão de você.

Hoje sinto-me a pessoa que no meio da escuridão, tua luz raiará somente pra dizer que realmente "EU NÃO CONSIGO VIVER LONGE DE TI"

É incrível, pois eu também não consigo, e por isso vou sobrevivendo, e a cada dia matando um leão que me cerca. Acima de uma grande frustração que tive, tenhas certeza que além do amor não correspondido, eu te amei de verdade e sem problema em dizer isso à ninguém.

Nossos olhos sempre certos do que queríamos, mas nossas mentes sempre erradas, ou vice-versa.
Se for o último capítulo, que seja, mas que seja apenas de uma temporada e de um até logo, pois o amor é pra sempre.

Cláudio Rogério


quarta-feira, 1 de julho de 2015

CRUZEIRO DO SUL É CAMPEÃ ESTADUAL DE QUADRILHAS JUNINAS NO AMAPÁ!




Com um décimo de diferença para a segunda colocada a Quadrilha Junina Cruzeiro do Sul levou para o bairro do Zerão e Universidade o título de melhor quadrilha junina do Amapá.
Com um temática que falava dos 15 anos grupo dentro de um enredo que retratava os tiranos e soberanos.

O Resultado final foi esse:

1 - Cruzeiro do Sul - 200,8
2 - Revelação - 200,7
3 - Simpatia da Juventude - 200,7
4 - Pequena Dama - 200,5
5 - Renovação Junina - 200,4

terça-feira, 2 de junho de 2015

É JUNHO, ENTÃO VAMOS DE FESTA JUNINA!

Foto: Facebook Arraiá da Beira Rio
Foto: Facebook Arraiá da Beira Rio

A fogueira ta queimando 
em homenagem a São João, 
o forró já começou
 vamo gente rapá pé nesse salão'' 
(Luiz Gonzaga)

Quando o véio Lua (Luiz Gonzaga) com sua sanfona tocava esse arrasta-pé pelas cidades do nordeste era o anúncio da chegada do mês de junho, o mês das fogueiras, de pagar e fazer promessas por mais uma grande colheita, o mês da festança popular, o mês de reunir a juventude, pegar seu par e cair no forrobodó.

Essa cultura se espalhou pelo Brasil a fora, hoje quando chega o mês de junho, escolas, repartições públicas e privadas, associações de bairros, igrejas e até mesmo algumas residências, começam a decorar seus espaços com bandeirinhas coloridas, preparar lenha pra fazer as tradicionais fogueiras, são incluído nas compras do mês, o milho para o mingau, a pipoca, o quentão, bolo de macaxeira, cuscuz, o pé de moleque e outras guloseimas consumidas neste período. Este é o mês de junho no Brasil.

No Amapá, além destas tradições, outro fenômeno tomou conta de nosso estado, as apresentações das quadrilhas juninas, que para 2015 teremos aproximadamente 84 grupos dos quatro cantos de nossa região, dançando nossos ritmos com temáticas que exaltam culturas e tradições de vários povos e várias regiões.

Para este ano o governo do Amapá juntamente com a FEFAP (Federação das Entidades Folclóricas do Amapá), entidade responsável pela realização do evento, pretendem fazer o concurso no estacionamento do complexo turístico do meio do mundo, onde se encontra o monumento do Marco Zero do Equador, o Sambódromo de Artes Populares, o Estádio Zerão e a Cidade do Samba.

O valor estimado pra quadra junina deste ano é de R$ 1 milhão de reais, e cada quadrilha junina receberá seis mil reais como forma de apoio para a continuidade dos trabalhos de cada grupo, já que uma quadrilha junina para realizar um bom trabalho gasta em média 20 a 50 mil reais para concretização de um bom trabalho.

Os grandes espetáculos proporcionados pelos grupos serão realizados nos municípios de Mazagão, Santana, Ferreira Gomes, Vitória do Jari e a grande final do concurso acontecerá em Macapá.

O evento será dividido em dois estilos, o concurso de quadrilhas estilizadas e o concurso de quadrilhas tradicionais, acompanhem as datas e locais dos eventos.


Fontes: Assessoria de Comunicação FEFAP

Dia 12 – Eliminatória do Polo Mazagão
Dia 13 – Eliminatória do Polo Santana
Dia 14 – Eliminatória do Polo Norte
Dia 16 – Eliminatória do Polo Vale do Jari (Vitória do Jari)
Dias 17, 18 e 19 – Eliminatória do Polo Macapá
Dia 20 – Final do Polo Macapá
Dias 23, 24 e 25 – Eliminatórias do Estadual
Dias 26 e 27 – Eliminatórias dos grupos tradicionais
Dias 28 e 29 – Finais do Estadual Estilizadas
Dia 30 – Final do Estadual Tradicionais

Texto: Cláudio Rogério



quarta-feira, 20 de maio de 2015

QUADRA JUNINA 2015: DEFINIDA A PROGRAMAÇÃO DO ARRAIA DO MEIO DO MUNDO

Representantes de grupos juninos ligados à Federação de Entidades Folclóricas do Amapá (Fefap) reuniram no dia 18, com o secretário de Relações Institucionais do Governo do Amapá (RI/GEA), Jorge Amanajás, chefe adjunto do gabinete do governador, Carlos Marques, secretário de Cultura (Secult), Disney Silva, e presidente da Federação, Daiana Ronieli, para o anúncio oficial da quadra junina de 2015. Foi anunciado o valor de R$ 1 milhão de repasse do GEA, os calendários municipais e estaduais, e local das competições.
É a 6ª edição do Festival Junino realizado pela Fefap, e terá a participação de 84 grupos, de todo o estado. Para melhor organização, os grupos são divididos em cinco Pólos. Pólo 1, 55 grupos do município de Macapá; Pólo 2, grupos de Vitória e Laranjal do Jari; Pólo 3, grupos dos municípios Porto Grande, Pedra Branca do Amapari, Calçoene, Tartarugalzinho, Ferreira Gomes, Amapá e Oiapoque; Pólo 4, Santana, e Pólo 5, Mazagão. Os vencedores de cada pólo, participam da eliminatória estadual. A volta das competições nos municípios, por Pólo, era uma reivindicação nos últimos anos, que foi possível em 2015.


REPASSE

O valor de R$ 1 milhão será repassado através de convênio que deverá ser assinado nos próximos dias. Deste total, R$ 100 mil é destinado para a estrutura física; R$ 200 mil para as prefeituras que irão realizar as programações nos municípios; e R$ 504 mil para os grupos, R$ 6 mil para cada um. “Outra novidade é que vamos voltar a repassar o valor igual para cada grupo, ao contrário dos últimos anos, que alguns receberam R$ 2 mil, e o valor máximo foi de R$ 5 mil”, disse a presidente Daiana . O restante do valor do repasse serão administrados pela Fefap para pagamento de pessoal, jurados, premiação, e outras despesas.

SAMBÓDROMO


As eliminatórias do município de Macapá e estadual do Festival Junino serão realizadas no Sambódromo, onde será montada estrutura para receber o público com espaços como Praça de Alimentação, parque, salão de forró Casa de Reboco e setor de serviços do GEA. A decisão de transferir a programação da quadra junina da área do entorno da Fortaleza de São José de Macapá, foi em função da recomendação, em 2014, do Ministério Público Federal (MPF/AP), após o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico (IPHAN) fazer a fiscalização e notificar os realizadores do evento, que desobedeceram o Decreto Lei nº 25/1937), por se tratar de uma estrutura que integra o patrimônio cultural brasileiro.

PROGRAMAÇÃO

Maio

18 – Inscrição do concurso Garota Fefap

20 – Coquetel Garota Fefap

Junho

5 – Concurso Garota Fefap

12 – Eliminatória do Pólo Mazagão

13 – Eliminatória do Pólo Santana

14 – Eliminatória do Pólo Norte

16 – Eliminatória do Pólo Vale do Jari

17, 18 e 19 – Eliminatória do Pólo Macapá

20 – Final do Pólo Macapá

23, 24 e 25 – Eliminatórias do Estadual

26 e 27 – Eliminatórias dos grupos tradicionais

28 e 29 – Finais do Estadual Estilizadas

30 – Final do Estadual Tradicionais

MARILÉIA MACIEL

terça-feira, 19 de maio de 2015

FERNANDO CANTO LANÇA LIVRO SOMENTE PARA INTERNAUTA

Para você que não desgruda os dedos do seu smartphone, iphone, tablets, notebook e até mesmo de seu PC, o escritor Fernando Canto através da Editora Paka-tatu lançou o livro "Os tempos Insanos" somente para download.
Basta acessar o site http://www.amazon.com.br/ e pagar o valor de 4 dólares para você desfrutar de mais uma bela obra do mestre Fernando Canto.

Clique na foto para ir direto ao link de compra:

DESCRIÇÃO DO LIVRO

Neste "Os Tempos Insanos", Fernando Canto nos transporta para novas civilizações, Amazônias que vivenciamos, exploramos e deixamos explorar. É uma viagem muito além das negligências, dos compartilhamentos, é uma obra de texturas combinadas desde os primeiros laços na vida de homens e mulheres, índios e afro-espaciais, aqui na bendita terra e nas águas. É um livro que expressa muito mais do que a verve do poeta, do escritor de tantos contos, crônicas, do compositor. Vai além do sociólogo que vive, vê e enxerga, estuda e saboreia. O livro é um ato ecumênico de coragem, conhecimento e valorização da fé verdadeira na vida. É a crítica às explorações, às farsas ritualísticas. O humor suave, às vezes sarcástico como é o da gente amazônida, está lá em toda parte. Mais simbólico que burlesco, "Os Tempos Insanos" carregam o realismo fantástico amazônico brasileiro do humano sagrado e profano, como o são no desrespeito, na luxúria e nas falcatruas, os que logram com a fé e a vida do povo, aqui e lá nas terras dos mundicos.

DETALHES DO PRODUTO:

Autor: Fernando Canto​
Prólogo: Jorge Herberth De Sousa Ferreira​
Ilustrador: Paulo Emmanuel

Formato: eBook Kindle
Tamanho do arquivo: 30019 KB
Editora: Editora Paka-Tatu (31 de março de 2015)
Vendido por: Amazon Servicos de Varejo do Brasil Ltda
Idioma: Português

domingo, 10 de maio de 2015

“SEM TRAUMA”, REVELAÇÃO É CAMPEÃ DO PRÉ-FORROZÃO DA SIMPA.

Se existe algo que gosto na vida é de ser surpreendido com coisas boas e com grandes espetáculos, espetáculo daqueles de arrepiar. 

Como sempre eu digo: “treino é treino, jogo é jogo”, e foi exatamente assim que as onze quadrilhas juninas finalistas ontem, dia 9 na sede do Trem, no XV pré forrozão da Simpatia da Juventude, tentaram proporcionar ao público.

Um detalhe que aconteceu no evento foi em relação entre o público e a comissão julgadora, nem sempre a manifestação do público em um evento junino, condiz às notas da comissão julgadora, mas ontem este fenômeno aconteceu, as quadrilhas mais aplaudidas foram as mais bem colocadas, e o resultado foi o que viram. 

Foi com um show de criatividade, espetáculo e muita animação que a Quadrilha Junina Revelação do Bairro Perpétuo Socorro levou mais um título do pré-forrozão ontem na sede do Trem, arrancando aplausos praticamente de todo mundo.









Além de troféu, o grupo levou dois mil e quinhentos reais de premiação e também arrebatou o quesito de melhor marcador com Jorge Figueiredo e melhor dançarina com a brincante Daniele Gama.

Parabéns Revela, agora seu trauma a ÁGUIA do P.Help alça novos voos na temporada 2015. 

quinta-feira, 7 de maio de 2015

É hoje!!! XV PRÉ FORROZÃO SIMPATIA DA JUVENTUDE, o maior da Amazônia.


Hoje, 07 de maio de 2015 todas as setas apontam para a sede do Trem Desportivo Clube, onde acontecerá durante três dias a décima quinta edição do Pré Forrozão realizado pela Quadrilha Junina Simpatia da Juventude.

O evento contará com a presença de 26 quadrilhas juninas vindas dos quatro cantos de nosso Estado. Teremos no festival, quadrilhas juninas de Macapá, Santana, Mazagão, Laranjal do Jari, Pedra Branca do Amapari e Porto Grande.

A Simpatia da Juventude estará dando mais de 5 mil reais em premiação para as campeãs do festival, além de eleger a melhor miss e o melhor marcador do evento.
A grande final acontece no sábado dia 9 a partir das 21h e você pode adquirir seus ingressos ou sua mesa através dos contatos 99124-21502 e 99138-1294. 

Já ergueram este caneco, quadrilhas como, Cuca Legal (a primeira campeã), Coração Brasileiro, Verde Amarelo, Revelação, Estrela do Norte, Pequena Dama, Estrela Junina, Sabor Junino, Geração Junina e muitas outras...

Quem será a próxima campeã?
Façam suas apostas, a quadra junina amapaense começou!!!

Confira as eliminatórias

1ª Eliminatória – 07 de maio – Quinta-feira as 22:00

1 – CORAÇÃO VALENTE
2 – CONSTELAÇÃO JUNINA – SANTANA
3 – FLOR DA MOCIDADE – MAZAGÃO
4 – RAÍZES CULTURAIS
5 – REVELAÇÃO
6 – SABOR JUNINO – SANTANA
7 – TRADIÇÃO JUNINA
8 – ESTRELA DO NORTE
9 – CORAÇÃO CAIPIRA
10 – ESTRELA BRASILEIRA
11 – FUZUÊ JUNINO
12 – PRÍNCIPE VALENTE
13 – ESTRELA DE OURO


2ª Eliminatória – 08 de maio – Sexta-feira as 22:00

1 – ENCANTO JUNINO – LARANJAL DO JARI
2 – MAGIA DA JUVENTUDE – PEDRA BRANCA DO AMAPARI
3 – SENSAÇÃO JUNINA – TARTARUGALZINHO
4 – CORAÇÃO MAZAGANENSE – MAZAGÃO
5 – EXPLOSÃO JUNINA – PORTO GRANDE
6 – PEQUENA DAMA
7 – ESTRELA JUNINA
8 – GERAÇÃO JUNINA
9 – REVELAÇÃO JUNINA
10 – ATRAÇÃO JUNINA
11 – ROSAS DE OURO
12 – RENOVAÇÃO JUNINA
13 EXPLODE CORAÇÃO




segunda-feira, 4 de maio de 2015

DESTAQUES DA CULTURA JUNINA - "TONY TIGRESA", UMA FERA DA AMAZÔNIA!

Foto: Portal Caipirosca
Hoje o nosso blog irá bater um papo agradável com Antônio Carlos, militante da quadra junina há 23 anos e durante este período passou por Belém do Pará e Macapá.
 Talvez não conheçamos quem seja Antônio Carlos, mas quando se fala de Tony Tigresa ou Tigra, todos os quadrilheiros do Amapá recordarão desta figura impar da cultura junina.
Nascido em 26 de maio, sem revelar o ano de nascimento, o geminiano “Tony Tigresa” é formado em pedagogia com especialização em docência para ensino superior. Torcedor assumido do Flamengo, Boêmios do Laguinho e Beija-Flor, Tony começou seus primeiros passos na quadra junina em Belém do Pará, na também Simpatia da Juventude, e com a chegada de seus familiares em solo Tucuju, começa a participar do movimento junino em Macapá passando pela extinta Flor Cigana de seu amigo Ray Balieiro, e depois resolve em 1994 com outra turma de amigos, fundar a Simpatia da Juventude, hoje uma das quadrilhas mais conceituadas na quadra junina amapaense.
Em sua galeria como quadrilheiro, conquistou 3 títulos na Simpatia de Belém e quando fundou a Simpatia da Juventude em Macapá, se tornou campeão em 1994,2000,2002, 2003 e 2004, além de ser eleito por vários anos como melhor marcador da quadra junina.
Nossas perguntas a Tony Tigresa!
Na foto, Claudinho e Selminha Sorriso, casal de Mestre Sala e Porta Bandeira da Beija Flor
Jeito Tucuju – Quais os pontos negativos que você ver na quadra junina amapaense?

Tony - Seriedade na realização dos eventos oficiais, falta de incentivo para com a quadra junina, como: realizações de festas juninas, falta de interesse pelas empresas privadas em patrocinar grupos, etc.

JT – E o que você consegue ver de pontos positivos dentro do movimento junino.

Tony -  Crescimento e evolução para com todos os grupos da Quadra  Junina Amapaense.

JT – Seu sentimento pela quadra junina?

 Tony -  Saudades.

JT – Qual o motivo de ter parado de dançar na quadra junina?

Tony - Compromisso particular ( Formação Acadêmica).


Este é o Tony, como ele próprio diz, “polêmico, ousado e irreverente”.


 
Em 2002 ao lado de Gérson Leite, um dos grandes inspiradores de Tony Tigresa.
Quando falamos de marcadores de quadrilha junina que fizeram história, nos remetemos a grandes nomes como Mestre Psiu, Alexandre Fonseca, Clodoaldo de Almeida, o saudoso Gerson Leite e outros...
Tony teve um papel fundamental nesta mudança de comportamentos na arte de marcar uma quadrilha junina.
Suas apresentações sempre foram um espetáculo a parte e imortalizou alguns comandos na quadra junina. Seu principal grito de guerra, hoje faz parte do slogan da Simpatia da Juventude, “solta a fera Simpa”.